Quarta, 18 de Maio de 2022
Geral Distrito Federal

Hipopótamos ganham nova vida no Zoológico de Brasília

Após reforma, os mamíferos contam com área sete vezes maior que o recinto anterior

23/01/2022 às 11h55
Por: Redação Fonte: Secom DF
Compartilhe:
Foto: Reprodução/Secom DF
Foto: Reprodução/Secom DF

Apesar de ser um dos animais mais populares em zoológicos, muita gente acredita que o hipopótamo só precisa de água para viver. Mas a verdade é que esse mamífero de grande porte, que pode atingir a marca de 1,5 tonelada, utiliza a água apenas como refúgio contra o sol, para proteger sua pele sensível.

Com base nisso e com o objetivo de incrementar o bem-estar das espécies sob seus cuidados, o Zoológico de Brasília realizou uma reforma no recinto das quatro fêmeas de hipopótamo que vivem na instituição. Agora, ao invés de somente 300 m² para caminhar, as meninas contam com um espaço sete vezes maior, ou seja, com mais de 2.000 m².

O novo espaço foi aprovado pelas moradoras, que o têm explorado diariamente e usufruído dos diversos elementos naturais, como barrancos e árvores | Foto: Welington Coelho/Zoológico de Brasília
O novo espaço foi aprovado pelas moradoras, que o têm explorado diariamente e usufruído dos diversos elementos naturais, como barrancos e árvores | Foto: Welington Coelho/Zoológico de Brasília

Um estudo publicado em 2018 analisou a qualidade de vida dos hipopótamos em 34 zoológicos da América do Norte. Com a pesquisa, descobriu-se que existem sérios problemas de infraestrutura para que esses animais desfrutem de uma vida de qualidade. O principal deles é a limitação de espaço terrestre para os animais caminharem, visto que se trata de uma espécie que, ao entardecer, sai da água para explorar e procurar alimento.

A expectativa é que, assim, Bárbara, Catarina, Chumbinho e Iully, como são carinhosamente chamadas, melhorem sua aptidões físicas e se comportem cada vez mais como hipopótamos selvagens

“Nosso objetivo é sempre priorizar a qualidade de vida e o bem-estar dos animais sob nossos cuidados. Com a reforma, utilizamos novas áreas da Galeria África para ampliar a área seca do recinto dos hipopótamos. A ideia é que trabalhemos com menos animais vivendo melhor, de forma a contribuir com a conservação de suas espécies”, explica o biólogo e diretor de mamíferos do Zoológico de Brasília, Filipe Reis.

O novo espaço foi aprovado pelas moradoras, que o têm explorado diariamente e usufruído dos diversos elementos naturais, como barrancos e árvores, que compõem a ambientação do recinto em que estão. A expectativa é que, assim, Bárbara, Catarina, Chumbinho e Iully, como são carinhosamente chamadas, melhorem suas aptidões físicas e se comportem cada vez mais como hipopótamos selvagens.

Estima-se que, em 10 anos, a população de hipopótamos no ambiente natural diminua em mais de 20% | Foto: Welington Coelho/Zoológico de Brasília
Estima-se que, em 10 anos, a população de hipopótamos no ambiente natural diminua em mais de 20% | Foto: Welington Coelho/Zoológico de Brasília

A espécie

O hipopótamo-comum, conhecimento cientificamente comoHippopotamus amphibius, é um mamífero semiaquático, ou seja, frequenta tanto a terra quanto a água. Apesar de ser um dos mamíferos mais pesados do mundo, é uma espécie bem rápida em terra, podendo chegar até 30km/h. No passado, oHippopotamus amphibiustinha ocorrência desde o delta do Nilo, no norte da África, até o sul deste continente. Mas, devido à caça e à destruição do habitat, hoje existem apenas em rios e lagos da bacia do Congo até a África do Sul.

Estima-se que, em 10 anos, a população de hipopótamos no ambiente natural diminua em mais de 20%. Por isso, trata-se de uma espécie ameaçada de extinção e que depende de esforços para não desaparecer da natureza.

*Com informações da Fundação Zoológico de Brasília

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias